A cura através da argila

máscara de argilaUma aluna de Santa Rita do Sapucaí-MG, que conhece muito bem a natureza, pois sempre morou no campo, disse-me, durante um curso: “As pessoas dizem que sou louca, mas lá em casa a terra cresce. Lembro-me de um morro que era pequeno e depois ficou mais alto.”
A terra é gaia, isto é, tem vida, ela se move, cresce… Em sua composição, há uma semelhança muito grande com o corpo humano: ela contém ferro, magnésio, cálcio, sódio, potássio e outros. Ela é absorvente, suga todo corpo estranho contido no ser humano, que chamamos de toxinas, como ácido úrico, pus, catarro, tumores, excesso de calor, radioatividade e drogas em geral, inclusive os remédios, que são substâncias químicas sintéticas. Na radioterapia e na quimioterapia, a argila elimina os efeitos colaterais, trazendo vitalidade e bem-estar, chegando ao ponto de evitar queimaduras, enjôos ou queda de cabelos.
Certa vez, mostrei um livro sobre este assunto a um médico oncólogo, e ele disse acreditar em tudo que estava escrito ali; argumentou, no entanto, que se adotasse esta técnica, seus clientes iriam embora. E um pediatra me disse assim: “Sou contra antibióticos; determinadas doenças tem um ciclo a seguir, até serem eliminadas, não precisando de remédios; porém, se eu não aviá-los, a mãe leva a criança para outro médico que os prescreve. Então, ela fica mais segura, pensando que o antibiótico fez efeito, mas a cura aconteceu porque a doença alcançou o ciclo necessário.
A argila é também adsorvente, porque doa para o corpo humano seus nutrientes, além da energia vital, fator indispensável para a cura. Ela tem grandes poderes radioativos e eletromagnéticos. Por causa disto, pode não só reconstituir células, como revitalizar o corpo. Daí o conselho de andar descalço sobre a terra (de preferência úmida e revolvida), o que fortifica o sistema nervoso, expulsa matérias mórbidas pelos pés, facilitando a penetração no corpo de correntes magnéticas e elétricas da terra e da atmosfera. Seria excelente se pudéssemos dormir em contato com a terra ou ficar enterrados, durante algum tempo, deixando apenas a cabeça do lado de fora.
Outras propriedades da argila:
* Bactericida – Microorganismos contidos nela, entrando em contato com bactérias, se multiplicam milhões de vezes, destruindo-as muito mais rápido do que a capacidade que as bactérias têm de agir, eliminando, assim, qualquer infecção.
* Refrescante – Retém calor muito rapidamente, absorvendo o que chamamos de FEBRE INTERNA, descongestionando os órgãos e eliminado dores e mal-estar em geral.
* Cicatrizante – Cicatriza não só feridas, como também queimaduras, muitas vezes eliminando completamente as cicatrizes.
* Calmante, desinfetante – Permite o equilíbrio total do corpo. Funciona na maioria das doenças.
A argila foi usada como terapia desde os tempos de Homero (século IX a.C.) e de Hipócrates, o pai da Medicina (460-337 a.C.). Jesus também utilizou o barro para curar um cego de nascença (João 9.6). “Na Idade Contemporânea, destacou-se o Dr. Julius Stumpf, médico berlinense, que observou, num cadáver de uma mulher que havia sido enterrada há mais de três anos, que o corpo e as vestimentas estavam perfeitamente conservados. Comprovou-se, então, que a terra argilosa possuía elementos refratários às bactérias e à decomposição, e que poderia ser apropriada para o tratamento de feridas. Sua teoria foi comprovada em 1.886, quando alguns médicos tinham decidido amputar a perna de um paciente devido a uma gangrena causada por um grande abscesso. Como o paciente recusou-se a ter a perna amputada, os médicos decidiram aplicar, segundo as idéias do Dr. Stumpf, a argila diretamente sobre o abscesso. Em pouco tempo, o odor fétido desapareceu, e a perna se restabeleceu. Atualmente, está sendo usada em todo o mundo, principalmente na América Latina e Europa”. As plataformas de petróleo a usaram muito, no passado, para purificar a gasolina, devido à capacidade da argila de puxar as impurezas.
São muitos os casos de cura, inclusive de pessoas já desenganadas. Tratei-me de um problema sério de coluna, com reações positivas imediatas. Alguns afirmam que a argila pode até desmontar vértebras. Vi um médico tratar uma pessoa com fratura exposta, feridas e queimaduras, somente com argila. O sucesso foi total.
Comumente, ela é usada em cataplasmas, com água fria – água quente só em casos específicos, quando o corpo está muito debilitado, sendo que a primeira aplicação é muito mais eficaz, porque retira a febre interna mais rápido. Se houver dúvida, toque a pele; só se estiver muito fria é que necessita do barro quente. Ao ser usada em áreas doentes como braços, pernas, joelhos etc., deve-se sempre colocar também no abdome, porque é aí que está instalada a verdadeira doença, no aparelho digestivo; do contrário, podem surgir determinadas reações, como coceira, feridas e vermelhidão, entre outras. Para segurança, também é importante vigilância quanto à alimentação e uso de enemas. Com estas precauções, só não se diz que o resultado é 100% garantido porque “… na medicina e no amor, nem nunca, nem sempre…”.
Cura através da argilaColocar a argila diretamente sobre a pele nem sempre é cômodo e seguro, por isso pode-se usá-la em folhas de couve, bananeira, repolho ou em tecidos absorventes e de fácil penetração, como gazes ou fraldas. Externamente, ainda é usada em compressas, máscaras, sabonetes, shampoos, etc. O Dr. Melara ensina, em seu livro, a fazer cápsulas com argila e hortelã para vermes, como também supositórios. Manipular a argila com as mãos ajuda a eliminar raivas e melhora a clareza de pensamentos, desenvolvendo a plena atenção. Ela é usada, ainda, na agricultura, para equilibrar o PH do solo, nas indústrias, alegorias etc.
Internamente, usa-se nos bochechos, para afta, gengivite e para beber, COM CUIDADO E ORI-ENTAÇÃO DE ESPECIALISTA, porque pode provocar prisão de ventre e outras conseqüências, se a pessoa estiver usando qualquer tipo de droga, inclusive remédios alopáticos.
MODO DE USAR
Uso Interno: Mistura-se uma colher (de sopa) de argila em um copo d’água, ou deixa-se decantar de um dia para o outro. Tomar de preferência em jejum, uma vez ao dia. Chegando ao estômago, ela atrai as toxinas de todo o corpo, e é eliminada pelos intestinos. Neste momento, são necessários enemas e algum chá ou fruta laxante. Também usa-se internamente para vermes como ameba e oxiúros, para desidratação, diarréias e enterites (inflamação da mucosa do intestino), em pílulas ou comprimidos. Para envenenamento, usar argila decantada com chás ou suco de limão. Ela regulariza o metabolismo e tonifica, reativando as funções dos órgãos preguiçosos.
Uso Externo: Elimina rugas e rejuvenesce, desencrosta os poros, dando uma aparência fresca e juvenil. Tira olheiras, reumatismo crônico, artrite, câncer e gota; depura o sangue, elimina dores, estimula a circulação sangüínea e linfática e combate os radicais livres. Pode-se passá-la diretamente na pele, caso não haja feridas.
A maneira mais usada é em forma de cataplasmas: misturar a argila com água (com as mãos ou colher de pau), numa vasilha de barro, vidro ou madeira, deixando ficar com a consistência de massa de pão. Pegar uma fralda, abrir o barro do meio da fralda até a periferia (como se abre uma massa para pastel), deixando-o com um centímetro de altura, com uma margem de dois centímetros nas bordas da fralda; colocar a outra metade da fralda sobre a argila, dobrando a borda para não vazar. É como se a argila ficasse dentro de um saco fechado. Pôr, então, no abdômen, colocando, por cima, um jornal dobrado em quatro partes, e depois um tecido de flanela para abafar e enfaixar. Deve-se deixar bem justo, mas sem atrapalhar a respiração.
A terra deve ser colhida a um metro do solo ou dois palmos, se for barranco, para evitar impurezas (é esta terra que chamamos de virgem). Deve estar longe de lixos, agrotóxicos, hospitais, cemitérios ou local suspeito de contaminação. Também há grandes profundidades onde a terra está molhada, e corre-se o risco do lençol freático estar contaminado.
Após retirar a terra, deve-se expô-la ao sol, por, no mínimo, duas horas, não apenas para secagem, mas também para que os raios solares possam penetrar, vitalizar e trazer os elementos radioativos, invisíveis e curativos. Não há preferência de cor, ela apenas deve ter liga, isto é, não ser arenosa. Cada pessoa que toca esta argila vai ter influência sobre ela. Se a pessoa carregar raivas, medos etc., a argila vai absorver e absorver.

IMPORTANTE: Os pés devem estar sempre aquecidos. É bom Usar meias ou bolsas de água quente. Também todo o corpo deve estar protegido do frio.

CONTRA-INDICAÇÃO: Não colocar diretamente nas feridas (usar proteção, com folhas ou fraldas), e não usar se estiver tomando antibióticos. Nunca reaproveitar a argila. Se houver doença contagiosa, enterrar profundamente e distante de moradias.

ARMAZENAGEM : Armazenar em vasilhas de madeira, vidro, pedra ou barro, nunca alumínio, plástico ou inox. Estes cuidados também devem ser observados no preparo. Por isso é recomendado o uso de colher de pau. Armazenada, a argila dura tempo indeterminado, desde que seja exposta ao sol uma vez por mês.

A aplicação da argila é simples. Com um pouco de técnica, evita-se sujeira e trabalho desnecessário.
O barro foi mais um presente que Deus nos deu, através da natureza. No próximo número, o diretor do Centro de Estudos Naturistas de Barcelona (Espanha) nos falará sobre “A argila e a beleza”.
Muita paz e alegria!

Suzete é Naturopata, Iridóloga e Instrutora dos Exercícios Visuais. Autora do livro: Cuide de Seus Olhos

Contato: suzete@saudeintegral.com

Sites: www.saudeintegral.com, www.iridologiasp.com.br e www.metodobates.com.br