Hipnose e Homeopatia no dentista

dentistaMedo de dentista, fobias, dores, excesso de sangramento; tudo isso pode ter fim com a Hipnose, e, acredite se quiser, podem ser feitas até cirurgias e extrações sem anestesia e sem dores, a partir do momento em que a pessoa entre num estado profundo de Hipnose.

Não se sabe exatamente como surgiu a Hipnose, mas ela é usada desde o Egito Antigo. Em 1750, foi introduzida na Medicina, com Mesmer (médico e músico), chegando a curar muitas pessoas. Por isso, ele foi perseguido pelos colegas médicos, os quais por várias vezes o expulsaram da cidade, mas ele partia para outro local e seu sucesso era ainda maior.

O método foi sendo aperfeiçoado com seus discípulos, e hoje está sendo cada vez mais aceito.

O QUE É HIPNOSE?

Não é mágica, não necessita de nenhum instrumento como pêndulos, ímãs, nem de poderes extrasensoriais como se imaginava anteriormente. A Hipnose é apenas um estado de relaxamento profundo, onde a pessoa não perde a consciência, lembra claramente o que lhe é falado durante a sessão. É uma técnica que leva a pessoa a ser condicionada; 60% das pessoas hipnotizadas chegam à etapa mais suave – relax muscular, tranqüilidade, disposição. A pessoa fica muito leve, descansada, como se estivesse num sono reparador; ela perde a relação de tempo e espaço. Fica absorta no que está sendo dito e proposto. 30% dos hipnotizados ficam na etapa média, onde o relaxamento é maior; e somente 10% chegam à fase sonambólica, onde pode ser feita até cirurgia sem nenhuma dor.

Observa-se, por exemplo, que num estado muito profundo de relaxamento (sonambulismo), a pessoa até pensa ter perdido a consciência, mas se alguma coisa lhe foi imposta sem o seu consentimento, ela contesta, sai da Hipnose. Já foi comprovado, através de eletroencefalograma, que a pessoa na Hipnose não dorme, considerando que, num processo de relax muito profundo, há uma predominância muito grande de ondas alfa; a semelhança com o sono é muito grande, mas não é igual.

Do mesmo jeito que o sono pode ser mais profundo ou mais leve, também na Hipnose pode-se estar num transe profundo ou leve, mas se cair no sono, não é Hipnose e o terapeuta, usará uma técnica para trazer a pessoa de volta ao estado hipótico. Quando não se fugiu ou dormiu, a volta ao estado normal é espontânea.

Tudo que se faz automaticamente é Hipnose, é condicionamento, desde quando o telefone toca e se atende sem pensar, ou quando, ao ler um livro muito envolvente, e alguém chama, responde-se automaticamente, por estar absorto no livro. Depois é que se raciocina e se dá conta de que se tivesse consciente não responderia daquela maneira ou até se pergunta: “Fui eu mesmo que falei isso?”. Também é Hipnose quando, ao ouvir “aquela música” da novela preferida que vai começar, a pessoa fica se deliciando mesmo antes da primeira cena.
COMO É FEITO O HIPNOTISMO

No consultório, o Hipnotismo é feito quando a pessoa está numa posição bem confortável, e lhe são dadas ordens de acordo com combinações anteriores entre a pessoa que vai ser hipnotizada e o terapeuta.

Nestas combinações, está incluído o que se pode ou não fazer e como serão dadas as ordens para condicionar o relaxamento, dependendo do que se quer. Por exemplo: “Toda vez que eu contar até 5 e você desejar, você relaxa”. Ou: “Toda vez que eu falar para você fechar os olhos e respirar profundamente, se você desejar, vai entrar num transe profundo igual ao que você se encontra agora”; e ainda: “Basta que eu toque na sua testa e peça-lhe para que feche os olhos e respire fundo… se você desejar, vai entrar num sono profundo”. É importante dizer “se você desejar”, porque não basta a vontade do terapeuta; se a pessoa não quiser, não vai entrar em transe. Que fique claro que não é o terapeuta que hipnotiza, a pessoa é que entra em transe, se quiser. E o contrato pode ser desfeito a qualquer momento, mesmo estando hipnotizado. Contrato firmado quando consciente, mas respeitado pelo inconsciente. Isto dá segurança e credibilidade para quem vai ser hipnotizado. Daí os comandos vão chegando e a pessoa vai entrando num estado mais profundo de relaxamento, e logo o terapeuta sente a hora de começar.

O dentista e homeopata Rogério Raimundo Pereira conta que quando começou a experimentar a técnica, não acreditava suficientemente, até que uma mulher da zona rural o encorajou, pedindo para extrair um dente assim, porque seu tio era dentista e a colocava como cobaia pela sua capacidade de relaxar rápido. O tio costumava introduzir uma agulha em sua mão para mostrar aos outros que ela não sentia dor.

Mas, durante as sessões, o dentista narra que ficou inseguro, porque ela fazia muitas caretas, e ele pensava que estava doendo. Depois ela contou que não sentia dor, fazia careta porque pensava que ia doer. Baseado neste fato, ele achou conveniente simular a injeção química para induzir melhor.

Rogério acha a técnica muito eficaz, com a desvantagem de ser muito demorada; por isso ele prefere ir conhecendo seus clientes, para ir sentindo aos poucos como cada pessoa vai aceitar ao mesmo tempo em que vai conhecendo a personalidade de cada um e usando a Homeopatia.
OS MALES DA ANESTESIA

A anestesia deve ser evitada sempre que possível porque é uma substância química e tem, muitas vezes, reações nocivas. Hoje já existem anestésicos mais suaves, mas antigamente uma pessoa poderia morrer com uma aplicação.

A solução que tem o agente anestésico é que bloqueia os impulsos nervos, por isso elimina a dor. Nela há também adrenalina, que é um vaso constritor, isto é, uma substância que contrai os vasos e daí impede que o agente anestésico seja metabolizado rapidamente ou absorvido pelos vasos. Com isso, a pessoa pode ficar mais tempo anestesiada.

A anestesia é contra-indicada para diabéticos, cardiopatas, hipertensos, gestantes, lactantes, alérgicos e outros. Podendo diminuir a dose da anestesia, já é um grande benefício. Às vezes, na Hipnose, usa-se apenas um terço de um tubo de anestesia, só para deixar a pessoa mais segura.

Se é aplicada metade da dose, já ameniza o efeito da droga no organismo; para o dentista, não faz diferença, porque ele vai jogar o resto do tubo fora, mas para quem está recebendo faz muita diferença.
O QUE É CÁRIE?

É uma deficiência imunológica que afeta a reação de defesa de determinada bactéria. Cárie não é só falta de escovação, alimentação ruim e constituição dentária precária, mas sim o resultado final destes fatores. Importante “o terreno”, o PH, isto é, a acidez da boca, a maneira de reagir e de se relacionar, a agressividade…

A incidência de cáries e de problemas periodontais está relacionada com altos níveis de estresse, indecisões, exigência, emoções contidas, mal elaboradas, e até relaciona-se com falta de dinheiro. Os dentes, que são uma estrutura física necessária para nossa sobrevivência (a mastigação), são sustentados pela gengiva. Se na vida material falta estrutura para sustentação, que é o dinheiro, a gengiva vai enfraquecer, o sistema imunológico cai e acontece qualquer tipo de inflamação.
HIPNOSE E BRUXISMO

O falecido cirurgião dentista Jacy Montenegro, que trabalhou com Hipnotismo durante 30 anos, acoplou seus conhecimentos de Hipnose com a reflexologia e a neurologia, o que fez diminuir o tempo da sessão, chegando a fazer uma pessoa sentir peso e calor no corpo em três minutos; com mais dois minutos, a pessoa sentia o dente anestesiado, podendo, então, ser obturado.

Segundo ele, só com uma técnica mais profunda e demorada seria possível fazer qualquer cirurgia sem anestesia, e que somente 10% a 15% das pessoas atingiriam esta faixa de relaxamento. Jacy conseguia programar uma pessoa para dormir de outra maneira diferente daquela em que adquiriu o bruxismo, ficando, assim, livre deste mal terrível que, pensava-se, não tinha cura.

Bruxismo é um hábito muito comum em pessoas que não conseguem soltar suas tensões durante o dia, e à noite, rangem os dentes sem controle, às vezes precisando até usar prótese para evitar o desgaste dos dentes. Através da técnica usada na Hipnose, sugere-se que a pessoa durma de lábios unidos e dentes separados, relaxadamente, sem prejudicar o sono.
A HIPNOSE E A HOMEOPATIA

A doença é o mau caminho que o organismo criou, seja por sentimentos mal elaborados, má alimentação ou qualquer outro fator. De um pequeno trauma que se teve na infância, como, por exemplo, a perda de um namoradinho, pode se desencadear um processo de timidez que cria aversão a homens ou a qualquer companhia. O sintoma que a pessoa apresenta é timidez, mas a Homeopatia vai tratá-la como um todo.

Com o remédio homeopático, a pessoa entende que aquele namorado não foi tão ruim assim ou que ele não seria o ideal para ela. A Homeopatia e a Hipnose fazem com que ela veja a aversão à companhia de uma maneira diferente; ela começa a fazer o caminho inverso. A medicação consegue trazê-la do ponto em que se desviou. Volta lá atrás. Encontra o ponto “chave” e, quando quebra o trauma, é como uma cadeia, um quebrando o outro.

Na doença também é assim. A partir de uma doença vem sempre outra. Apesar de o dentista tratar de forma mais mecânica, porque ele tem que ir à cárie para eliminá-la, é preciso ter consciência de que isso veio lá de dentro do ser, de algo que não está bem.

É como se não houvesse doenças, e sim doentes. A pessoa tem um desequilíbrio e a doença se manifesta, mostrando que alguma coisa está errada.
A DOR

É um sinal que alguma coisa está errada. Pode ser uma cárie, restauração quebrada, etc. Então, se não tem a dor, não existe o sinal de alerta. É preciso questionar de onde vem a dor, mesmo que se trate mecanicamente o indivíduo; não é só uma cárie, o problema emocional dele é que pode estar causando tudo isso.

Dentro da Homeopatia, precisa-se saber mais detalhes. Como é a imagem da pessoa, como e o que sente. Se é calor ou frio, o que come, o que gosta. Se há agressividade, como se relaciona com os outros. Como se porta no consultório, se marca consulta e não vem, se é pontual, quando sente dor, como sente esta dor e se ela tem uma maneira de se manifestar: se só dói à noite, ou com o quente; exatamente a tal hora; se piora com o frio, melhorando ao aquecer; se parece que algo está andando dentro do dente, ou latejando; se há então um medicamento que cobre a grande maioria destes sintomas, que vai atenuar ou melhorar. E, baseado nestes dados, pode-se fazer o perfil da pessoa.

O dentista precisa conhecer a pessoa que vai tratar, não é só tratar o dente. Fica um vínculo, como o médico da família de antigamente. É muito gratificante saber que o dentista também é amigo.

A rapidez é um dos maiores motivadores de tratamentos traumatizantes.

As medicações homeopatas são mais internas que externas. E são retiradas dos reinos mineral, animal e vegetal, diluídas e dinamizadas para se extrair a energia da substância. A partir da dinamização, já não há mais matéria, é só energia, vibração; quanto mais é diluída, tem mais energia, algo que a física já explica hoje.

A medicação pode ser extraída também de secreções fisiológicas ou patológicas. Por exemplo: a gengivite. Colhe-se a secreção, com a técnica adequada para armazenagem e manda-se para a farmácia de manipulação para fazer o medicamento – a isto se chama nozódio. A secreção traz a história da doença, a maneira como a pessoa adoeceu. O medicamento cura pela semelhança, segundo os princípios do grande mestre HAHNEMANN.

O medicamento tem a função de eliminar as toxinas do corpo, porque se não saírem de uma maneira, vão sair de outra. Imagine que uma pessoa tem uma afta, vai a um médico convencional e usa uma medicação alopata, a afta vai desaparecer, mas vai sair de outra forma, porque o médico interferiu na maneira que o organismo encontrou para dizer que alguma coisa não vai bem.

No caso da afta, pode ser estresse crônico, problemas de estômago, álcool, fumo. Se há interferência com medicamentos convencionais, corta-se o processo, e em vez de se ter uma afta pode-se ter uma gastrite, que foi outro modo que o organismo encontrou para dizer que não está bem. Aí, ao tratar a gastrite, que “fica bem”, mas passa-se a ter nervosismo, que já é sinal orgânico de irritação. Se é só a nível de exteriorizar (falar alto, gritar…), é mais grave que a gastrite; quando volta ao gastroenterologista, ele diz que isso não é mais com ele e sim com o neurologista, que vai dar um calmante e um antidepressivo…

Com o tempo a gastrite volta, porque não curou, torna-se crônica, não é mais gastrite, é câncer de estômago, precisa-se amputar o órgão, só que agora tem a depressão; depois da quimioterapia, outros problemas virão. Aonde será o fim?

Então, uma manifestação que era a afta, suprimiu-se; não se fez nada mais para mudar o modo de vida: alimentação, maneira de reagir diante dos problemas, emoções em geral; virou gastrite, suprimiu outra vez, gerou o estado nervoso, depressivo, agravou-se e multiplicou-se…
BENEFÍCIOS DA HIPNOSE

* Evita sangramento. Você diz: “Agora seus vasos estão ficando cada vez mais contraídos, a pulsação diminuindo, o fluxo sangüíneo está diminuído…” Às vezes, com isso a boca fica seca, evitando a medicação, que nem todos toleram e tem efeito colateral.

* Ausência de dor, ou dor com controle

* Elimina o excesso de saliva. Você diz: “A partir de agora as glândulas salivares vão funcionar mais lentamente e a produção da saliva vai ser menor. O corpo obedece, trazendo comodidade tanto para o dentista como para quem está no tratamento.

* Acalma o fóbico, ansioso, nervoso, aquele que tem diarréia antes da consulta. Há pessoas que marcam e não vêm ou, na hora, vão embora por medo, ansiedade.

* A Hipnose pode eliminar medos, depressão, dores em geral e até gagueira.

* A pessoa pode fazer Hipnose nela mesma, sozinha; ela deve estar concentrada numa gravação pela qual alguém irá induzi-la ou simplesmente numa música.

* Conseguindo fazer analgesia e anestesia, a pessoa estará tranqüila, cooperativa, equilibrada.

* Se a ordem é dada para deixar a boca aberta, ela não vai fechar enquanto não for dada a segunda ordem, com comodidade para o cliente e para o dentista.

* Controle de hemorragia e cicatrização rápida.

* Ausência de cansaço.

* O dentista vê a pessoa de maneira mais humana, e não apenas como cliente. Às vezes, existe um problema muito maior no emocional dele do que apenas no dente a ser tratado.

Suzete é Naturopata, Iridóloga e Instrutora dos Exercícios Visuais. Autora do livro: Cuide de Seus Olhos

Contato: suzete@saudeintegral.com

Sites: www.saudeintegral.com, www.iridologiasp.com.br e www.metodobates.com.br